Oradores

 

Burghard Baltrusch é Professor de Literaturas Lusófonas e burghard baltruschLíngua Portuguesa na Faculdade de Filologia e Tradução da Universidade de Vigo.É investigador do grupo GAELT (FG3) da Universidade de Vigo e do projecto P(O)ESPUBLIC (financiado pelo MEC), e é co-editor da colecção iBroLiT (Frank&Timme). As suas principais linhas de investigação são a Poesia contemporânea, Fernando Pessoa, José Saramago e teoria da tradução. Entre as suas publicações mais recentes contam-se Non-Lyric Discourses in Contemporary Poetry, Coed. con I. Lourido, München: Martin Meidenbauer / Peter Lang 2012; Lupe Gómez : libre e estranxeira. Estudos e traducións, Berlin: Frank & Timme 2013; “O que transforma o mundo é a necessidade e não a utopia”. Estudos sobre utopia e ficção em José Saramago.,Berlin: Frank & Timme 2014.

 

carlos nogueiraCarlos Nogueira (Universidade de Vigo, I Cátedra Internacional José Saramago) doutorou-se em Literatura Portuguesa na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Tem sido Investigador e Professor Convidado em Universidades Europeias e da América Latina. Tem mais de três dezenas de livros académicos publicados em editoras como a Imprensa Nacional – Casa da Moeda, a Fundação Calouste Gulbenkian e as Edições Lusitânia. É o caso de A Sátira na Poesia Portuguesa e a Poesia de Nicolau Tolentino, Guerra Junqueiro e Alexandre O’Neill (Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian / FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, colecção “Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas”, 2011). Recebeu diversas vezes o Prémio de Internacionalização da Produção Científica da FCSH – Universidade Nova de Lisboa (pelos artigos publicados em revistas indexadas no índice internacional ISI Web of Knowledge), e o Prémio Montepio de Ensaio.

 

Clara RochaClara Crabbé Rocha é professora catedrática aposentada da Universidade Nova de Lisboa. Doutorou-se em 1985, na Universidade de Coimbra, com a dissertação Revistas Literárias do Século XX em Portugal, editada no mesmo ano pela INCM. Publicou, além desse, os seguintes livros: O Espaço Autobiográfico em Miguel Torga (1977), Os “Contos Exemplares” de Sophia de Mello Breyner (1978), O Essencial sobre Mário de Sá-Carneiro (1985), Máscaras de Narciso – Estudos sobre a Literatura Autobiográfica em Portugal (1992), Miguel Torga – Fotobiografia (2000), O Cachimbo de António Nobre e Outros Ensaios (2003), distinguido com o Prémio de Ensaio do PEN Clube e com o Grande Prémio de Ensaio 2003 da A.P.E., e O Essencial sobre Michel de Montaigne (2015). Autora de vários prefácios, tem colaborado com artigos de crítica literária em diversos jornais e revistas, em dicionários de Literatura e em volumes científicos internacionais (entre eles, Encyclopedia of Life Writing, 2001, e The Oxford Critical and Cultural History of Modernist Magazines, vol. III, 2013). Foi professora convidada na Sorbonne em 2004. Fez parte do júri do Prémio Literário Europeu em 1992 e 1993, e do júri do Prémio Camões em 2013. Co-organizou o livro Literatura e Cidadania no Século XX (IN-CM, 2011). Em 2011, a convite da Fundação Gulbenkian, organizou a antologia A Caneta que Escreve e a que Prescreve, com a colaboração de Teresa Jorge Ferreira. As suas principais áreas de investigação são as revistas literárias, a literatura autobiográfica e a poesia portuguesa do século XX.

 

fernando cabral martinsFernando Cabral Martins é Professor Associado com Agregação de Literatura Portuguesa na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. É autor, além de livros de ficção, de artigos e livros sobre a literatura e a arte portuguesas: Cesário Verde ou a Transformação do Mundo (Comunicação, 1988), O Modernismo em Mário de Sá-Carneiro (Estampa, 1994), O Trabalho das Imagens (Aríon, 2000), Julio. O Realismo Mágico (Caminho, 2005). Organizou várias edições de Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro, Almada Negreiros, Alexandre O’Neill e Luiza Neto Jorge (na Assírio & Alvim, a partir de 1996). Coordenou o Dicionário de Fernando Pessoa e do Modernismo Português (Caminho, 2008). Entre as suas áreas de investigação incluem-se a Literatura Portuguesa dos séculos XIX, XX e XXI, a Literatura e o Cinema, e a Crítica Textual.

 

graca videira lopesGraça Videira Lopes é Professora de Literatura Portuguesa no Departamento de Estudos Portugueses da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.Doutorada em 1993, com uma tese em Literatura Medieval (A sátira na literatura medieval galego-portuguesa), tem assegurado as disciplinas da área da Literatura Portuguesa Medieval, na licenciatura e no mestrado em Estudos Portugueses. É membro do Instituto de Estudos Medievais, centro de investigação financiado pela FCT, no âmbito do qual, entre outras tarefas, foi investigadora responsável pelo projeto Littera — edição, preservação e actualização do património literário medieval português, cuja primeira fase contemplou a edição online, completa e anotada, da poesia e da música dos trovadores e jograis galego-portugueses.Organiza e coordena, desde o seu início em 2006, a Escola de Verão da FCSH. Coordenou ainda o Centro de Estudos Galegos, centro resultante de um protocolo entre a Universidade Nova e a Xunta de Galicia.

 

gustavo rubimGustavo Rubim é investigador integrado do Elab. Coordena um projecto de investigação sobre Literatura e etnografias: discurso da “nação” no séc. XIX, e outro sobre Cartografia literária e antropologia imperial: história da narrativa portuguesa de exploração africana (1797-1890). Doutorou-se em 1999 na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, com a tese A Inscrição Espectral: Camilo Pessanha e a Poética do Vestígio. Viria aliás a propor um ensaio de edição da Clepsydra, de Camilo Pessanha (incluído como suplemento ao nº 155/156 da revista Colóquio/Letras, Janeiro-Junho de 2000). Publicou os livros Experiência da Alucinação: Camilo Pessanha e a Questão da Poesia (1993; Prémio PEN Clube de Ensaio), Arte de Sublinhar (2003) e A Canção da Obra (2008). É co-autor, com Abel Barros Baptista, de uma ficção ensaística: Importa-se de me Emprestar o Barroco? (2003). Nos últimos anos, tem vindo a concentrar-se no estudo das articulações entre literatura e antropologia, interessando-se também pela história dos estudos literários em Portugal no séc. XX.

 

Joana MeirimJoana Meirim licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas na Universidade Nova de Lisboa (FCSH-UNL). Obteve o Diploma de Estudos Avançados em Literatura Portuguesa na Universidade da Coruña e doutorou-se em Teoria da Literatura (Universidade de Lisboa) com uma tese sobre os projectos poéticos de Jorge de Sena e de Alexandre O’Neill. Recebeu uma bolsa individual de doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). Entre 2006 e 2008, foi leitora da Faculdade de Filologia da Universidade da Coruña, onde ensinou Português Língua Estrangeira, Literatura Portuguesa e Literatura Brasileira. Desde 2012, é investigadora do Centro de Estudos de Comunicação e Cultura (CECC) da Universidade Católica Portuguesa e integra a linha de investigação “Cultura, Tradução e Cognição”. Foi membro da equipa editorial da “Correspondência de Jorge de Sena”, projecto financiado pela FCT.

 

jose tolentino mendoncaJosé Tolentino de Mendonça é Vice-Reitor da Universidade Católica Portuguesa, poeta, sacerdote e professor. Doutorado em Teologia Bíblica, em Roma, volta para Lisboa e nesta cidade, torna-se capelão e docente da cadeira de Teologia Bíblica na Universidade Católica. Padre desde os 24 anos de idade, José Tolentino Mendonça afirma que a sua vocação religiosa “foi uma coisa da juventude, inconsequente, imprudente, inesperada, que eu procuro manter. Ser padre é (…) aceitar a pobreza como condição“. Ocupando já um lugar de destaque na poesia portuguesa contemporânea, o autor integrou uma delegação que representou Portugal, então país homenageado, em 1999, na 9.ª Bienal Internacional do livro do Rio de Janeiro, ao lado de uma plêiade conceituada de escritores e poetas portugueses. Este prestígio foi legitimado através da escolha do seu nome para fazer parte de uma antologia de poetas portugueses, da responsabilidade da Lacerda Editores. Organizada por Alberto da Costa e Silva e Alexei Rueno, esta obra intitulada “Panorama da Moderna Poesia Portuguesa”, reúne 72 poetas modernos consagrados, nomeadamente Jorge Sena, Nuno Júdice e Fernando Pinto do Amaral. Em 2000, fez a apresentação da reedição do livro O Pobre Tolo de Teixeira de Pascoaes. Editou o seu primeiro livro de poesia Os Dias Contados em 1990 e, desde então, tem diversificado a sua obra como poeta, ensaísta e tradutor.

 

Maria Alexandra LopesMaria Alexandra Lopes é Doutorada em Estudos de Tradução pela Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é Diretora-Adjunta da FCH, Professora Auxiliar e Coordenadora da Área Científica de Estudos de Cultura. Entre 2008 e 2012, foi Professora-secretária da Faculdade e, de 2001 a 2008, Coordenadora dos Cursos de Tradução e Línguas Estrangeiras Aplicadas. É investigadora do Centro de Estudos de Comunicação e Cultura, onde integra duas linhas de investigação: Arte, Cultura e Cidadania e Cultura, Tradução e Cognição. É ainda membro do Conselho de Direcção da Revista Comunicação e Cultura. Entre os trabalhos mais recentes conta-se a edição, com Adriana Martins e Mónica Dias, do livro Mediations of Disruption in Post-Conflict Cinema (Palgrave Macmillan UK, 2016). Traduziu, entre outros, Ensaio sobre o Dia Conseguido de Peter Handke (1994), A Terra das Ameixas Verdes de Herta Müller (1999) e Fúria de Salman Rushdie (2002).

 

Miguel Pedro QuadrioMiguel-Pedro Quadrio, doutorado em Estudos de Cultura pela Universidade Católica Portuguesa – com a tese Dispositivo crítico: condições de possibilidade da crítica jornalística em Portugal –, é Professor Auxiliar na Faculdade de Ciências Humanas da mesma universidade. É ainda investigador no Centro de Estudos de Comunicação e Cultura da UCP (na linha «Arte, Cultura e Cidadania», coordenada por Isabel Capeloa Gil); e integra a direcção da Associação Portuguesa de Cultura e Desenvolvimento e da TOPIC / Associação de Comunicação. Fez crítica de teatro no jornal Diário de Notícias, entre 2002 e 2008. Foi cofundador das revistas Sinais de Cena e Obscena. Foi especialista na Comissão de Acompanhamento e Avaliação do Apoio às Artes (região Lisboa e Vale do Tejo), da Direção Geral das Artes, instituição onde integrou o júri de diversos concursos de apoio às artes. Como dramaturgista e responsável pelas publicações, colaborou com as companhias Teatro da Garagem e Companhia de Teatro de Almada.

 

miguel tamenMiguel Tamen é professor na Universidade de Lisboa, onde é Director do Programa em Teoria da Literatura.  Escreveu o prefácio para uma edição das poesias completas de Alexandre O’Neill (2000).  É autor de seis livros, entre os quais Friends of Interpretable Objects (2001) e What Art Is Like, In Constant Reference to the Alice Books (2012). É colunista regular na revista Common Knowledge e colunista semanal no jornal Observador.

 

Nuno Amado é doutorando do Programa em Teoria da Literatura da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, e está actualmente a terminar uma dissertação sobre Fernando Pessoa. Completou o seu Mestrado em 2008, também no Programa em Teoria da Literatura, com uma dissertação sobre Franz Kafka. É colaborador regular do projecto “Estranhar Pessoa: um Escrutínio das Pretensões Heteronímicas”.

 

Pedro Mexia

Pedro Mexia nasceu em Lisboa, em 1972. É Licenciado em Direito pela Universidade Católica Portuguesa. Foi cronista e crítico literário nos jornais Diário de Notícias e Público. Escreve no Expresso desde 2011. Participa no programa Governo Sombra (TSF e TVI24). Foi subdirector e director interino da Cinemateca Portuguesa. Publicou seis livros de poesia, antologiados em Menos por Menos (2011). Editou quatro volumes de diários e seis colectâneas de crónicas; os últimos títulos são Lei Seca (2014) e Biblioteca (2015). Traduziu poesia e teatro. Encenou duas peças. Dirige a colecção de poesia da Tinta-da-China. Desde 2016, exerce funções de consultor cultural do Presidente da República.

 

RASORamiro S. Osório nasceu em Lisboa, 1939. “Curso de Barthes”, no Collège de France, Paris (onde viveu 22 anos e se diplomou em arquitectura.) Editado por Pedro Tamen, Vítor Silva Tavares, Vasco Graça Moura. Convidado por Herberto Helder e Georges Perec para revistas literárias. 10 livros publicados (infantil, poesia, prosa, teatro). Duas vezes premiado pela A.P.E. e várias distinções dos Ministérios da Cultura (Portugal) e da Educação (Brasil).

 

scampinoSara Campino prepara o Doutoramento em Estudos Portugueses – Estudos de Literatura na FCSH/UNL. A sua pesquisa foca-se nas poéticas experimentais portuguesas da segunda metade do século XX. É Mestre em Estudos Portugueses – Estudos Literários, pela mesma Faculdade, com a dissertação O Experimentalismo na Obra de Alexandre O’Neill (2012) e tem uma licenciatura em Arquitectura pelo IST/UTL (2004).

 

Sebastiao CerqueiraSebastião Belfort Cerqueira nasceu em 1987, em Lisboa. Está, actualmente, a terminar o Doutoramento no Programa de Teoria da Literatura da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É comissário do ciclo de conferências Poesia no Museu, no Museu Nacional da Música, desde 2012. Tem dois livros de poesia publicados, O Pequeno Mal e EL SEGUNDO.

 

Anúncios